fbpx
17.2 C
Madrid
24 de junho de 2024
Brillando En La Oscuridad
Artigos Educativos

Dupla jornada: a luta da mãe trabalhadora contra a ansiedade

banner

O relógio marca 6:00 e Maria já está em ação. Com uma mão, segura seu bebê que decidiu que hoje é um bom dia para experimentar yoga às 6:05, enquanto com a outra mão responde e-mails urgentes do trabalho. Tudo isso enquanto prepara o café da manhã com a habilidade de um chef com estrela Michelin, porque, claro, é preciso garantir que as crianças comam algo além de cereal colorido.

Depois de deixar as crianças na escola (e não esquecer a lancheira em casa novamente!), começa o ato 2: Maria entra no escritório com a energia de quem dormiu oito horas (embora na verdade tenham sido quatro) e assume seu papel profissional com um sorriso. Reuniões, apresentações e chamadas que desafiam a lógica da multitarefa. Em sua mesa, além do computador, há um arsenal de brinquedos para entreter seu filho em caso de emergência.

Sai do trabalho e começa o ato 3 do dia: Enfrenta o trânsito como uma piloto de Fórmula 1, porque o relógio não perdoa: a escola fecha em 15 minutos e as crianças estão contando os segundos para a liberdade. Uma parada rápida no supermercado para comprar os ingredientes esquecidos para o jantar (novamente sem a lista de compras!) e, finalmente, chega em casa.

Começa o ato 4. Enquanto supervisiona os deveres escolares, cozinha um jantar digno de um restaurante cinco estrelas e, de alguma forma, também encontra tempo para ouvir os dramas escolares do dia. Como ela faz isso? Mistério absoluto.

A noite é uma criança no ato 5. Banhar as crianças, ler histórias, ouvir histórias de monstros debaixo da cama e, finalmente, apagar as luzes. Quando todos dormem, Maria vai recolher os brinquedos e limpar a cozinha. Finalmente, por volta da meia-noite, ela tem um momento para si mesma. E justo quando se senta para relaxar com sua série favorita… Zzz! Hora de dormir.

6:00 da manhã. O alarme toca novamente…

Se alguma vez você sentiu que os dias são uma maratona sem fim, onde a linha de chegada se move mais rápido do que você, não está sozinha! Bem-vinda ao mundo da dupla jornada: essa arte circense onde as mulheres equilibram o trabalho remunerado com o trabalho não tão “remunerado” (mas igualmente exaustivo) do lar. Tcham!

A participação das mulheres no mercado de trabalho foi uma das grandes conquistas do século XX. No entanto, essa vitória vem com seu próprio conjunto de desafios. A realidade é que, ao chegar em casa, muitas mulheres enfrentam uma segunda jornada de trabalho cheia de tarefas domésticas, cuidado dos filhos e outras responsabilidades familiares. Esse fenômeno, conhecido como “dupla jornada”, não só afeta a qualidade de vida, mas também tem um profundo impacto na saúde mental das mulheres.

Neste artigo, exploraremos a evolução histórica da participação das mulheres no trabalho, os estigmas acumulativos que elas enfrentam e como esses se relacionam com transtornos de ansiedade e depressão. Também analisaremos estudos recentes sobre a dupla jornada e a saúde mental, assim como as medidas que governos e empresas têm tomado para abordar essa problemática. Finalmente, recomendaremos alguns livros e filmes que aprofundam essa temática, para que você possa continuar explorando o assunto sob diferentes perspectivas.

Preparadas? Vamos começar!

1. Revisão Histórica: Mulheres no Trabalho e sua Dupla Jornada

img la doble jornada 1 • https://brillandoenlaoscuridad.org/pt/dupla-jornada-a-luta-da-mae-trabalhadora/ • Artigos Educativos • ansiedade, depressão, identidade de gênero, trabalho •

### A Evolução da Participação da Mulher no Mercado de Trabalho

Para entender a dupla jornada, primeiro precisamos olhar para trás e ver como as mulheres chegaram a ocupar seus lugares no mercado de trabalho. A participação da mulher no trabalho remunerado teve um caminho cheio de curvas e obstáculos.

No século XIX e no início do século XX, a maioria das mulheres trabalhava em casa. No entanto, com a Revolução Industrial, começaram a surgir oportunidades de trabalho em fábricas e oficinas. Foi aí que muitas mulheres começaram a ganhar seu próprio dinheiro, embora sob condições de exploração e salários baixos.

A mudança significativa veio durante e após as guerras mundiais. Com os homens no front, as mulheres foram chamadas a ocupar postos em fábricas, escritórios e outros setores. Rosie the Riveter, o ícone da mulher trabalhadora durante a Segunda Guerra Mundial, simboliza essa mudança. No entanto, quando os homens retornaram, esperava-se que as mulheres voltassem aos seus papéis domésticos, o que provocou tensões e conflitos sobre os papéis de gênero.

Nos anos 60 e 70, o movimento feminista trouxe consigo uma mudança cultural e social. As mulheres lutaram por seus direitos trabalhistas, igualdade salarial e a possibilidade de construir uma carreira. Foi uma época de grandes avanços legislativos, com leis que promoveram a igualdade de gênero no trabalho e o acesso ao ensino superior.

### A Noção da “Dupla Jornada”: Trabalho Remunerado e Trabalho Doméstico

À medida que mais mulheres ingressaram na força de trabalho, surgiu um novo desafio: equilibrar o trabalho remunerado com as responsabilidades do lar. Esse fenômeno foi batizado como “dupla jornada” ou “dupla carga”.

Em muitas sociedades, as expectativas tradicionais sobre o papel da mulher no lar não mudaram tão rápido quanto sua participação no mercado de trabalho. Assim, as mulheres começaram a assumir dois papéis: trabalhadoras e donas de casa. Trabalhar fora de casa não as eximia das tarefas domésticas, e muitas vezes se esperava que fossem as principais responsáveis pelo cuidado dos filhos, pela limpeza e pela cozinha.

Esse cenário criou uma enorme pressão sobre as mulheres, que precisavam encontrar uma maneira de equilibrar ambas as responsabilidades sem negligenciar nenhuma. A “dupla jornada” não só implica um esforço físico adicional, mas também afeta a saúde mental, gerando altos níveis de estresse e ansiedade.

Maria, essa mulher moderna que trabalha em um escritório e, ao chegar em casa, se transforma em uma versão de “Supermulher” sem capa, mas com um avental, pode estar em uma videoconferência de trabalho discutindo estratégias de marketing enquanto, ao mesmo tempo, ajuda os filhos com a lição de matemática e tem uma panela de sopa fervendo no fogão.

O PROBLEMA DA DUPLA JORNADA É COMO TENTAR FAZER MALABARISMO COM TOCHAS ACESAS ENQUANTO ANDA EM UMA CORDA BAMBA.

E, claro, sem rede de segurança. Embora a sociedade tenha avançado muito em termos de igualdade de gênero, a realidade de muitas mulheres continua sendo essa mistura frenética de responsabilidades profissionais e domésticas, enquanto o conceito de igualdade às vezes se perde em equívocos.

2. Estigmas Acumulativos na Vida de uma Mulher

A vida de uma mulher está cheia de expectativas e pressões sociais que, muitas vezes, se transformam em estigmas ao longo de suas diferentes etapas de vida. Esses estigmas não só afetam seu bem-estar emocional, como também podem desencadear problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão. Vejamos como esses estigmas se manifestam em diferentes etapas da vida de uma mulher e como se relacionam com a dupla jornada.

Infância e Adolescência: Expectativas de Gênero e Educação

Desde cedo, as meninas enfrentam expectativas de gênero que podem ser limitantes. Elas são ensinadas a serem amáveis, prestativas e responsáveis, enquanto muitas vezes se espera que os meninos sejam independentes e audaciosos. Esses papéis de gênero tradicionais influenciam as oportunidades educacionais e profissionais das meninas.

Durante a adolescência, as pressões se intensificam. As jovens enfrentam expectativas sobre sua aparência, comportamento e desempenho acadêmico. Pesquisas demonstram que as adolescentes são mais propensas do que os meninos a experimentar ansiedade e depressão devido a essas pressões sociais e acadêmicas.

Início da Vida Adulta: A Pressão de Equilibrar Carreira e Vida Pessoal

Ao entrar na vida adulta, as mulheres frequentemente enfrentam o desafio de equilibrar suas aspirações profissionais com as expectativas sociais de formar uma família. O estigma aqui reside na ideia de que uma mulher deve escolher entre sua carreira e sua vida pessoal. Aquelas que optam por se concentrar na carreira podem enfrentar críticas e questionamentos sobre quando “assentar-se” e ter filhos.

Esse dilema contribui significativamente para a ansiedade e o estresse. As mulheres que tentam equilibrar ambas as responsabilidades podem se sentir inadequadas em ambas as áreas, perpetuando um ciclo de culpa e esgotamento emocional.

img la doble jornada 6 • https://brillandoenlaoscuridad.org/pt/dupla-jornada-a-luta-da-mae-trabalhadora/ • Artigos Educativos • ansiedade, depressão, identidade de gênero, trabalho •

Maternidade: a “supermulher” e a culpa materna

A maternidade traz consigo um conjunto único de estigmas e expectativas. A imagem da “supermulher” que pode fazer tudo – ter uma carreira de sucesso, ser uma mãe perfeita e manter um lar impecável – é uma fantasia inalcançável. No entanto, muitas mulheres sentem a pressão de atender a esse ideal.

A culpa materna é um fenômeno comum, onde as mães sentem que nunca estão fazendo o suficiente pelos seus filhos, não importa o quanto se esforcem. Esse sentimento de insuficiência pode levar a altos níveis de estresse e ansiedade. Além disso, a “dupla jornada” se intensifica durante a maternidade, já que as responsabilidades do cuidado infantil e das tarefas domésticas se somam às demandas laborais.

Idade Adulta e Terceira Idade: Discriminação por Idade e Gênero

À medida que as mulheres envelhecem, enfrentam novos estigmas relacionados à idade e ao gênero. A discriminação por idade pode fazer com que as mulheres mais velhas se sintam menos valorizadas no local de trabalho, o que pode afetar sua autoestima e bem-estar emocional. Além disso, muitas mulheres idosas assumem papéis de cuidadoras para seus pais idosos ou seus netos, adicionando outra camada de responsabilidade à sua “dupla jornada”.

A combinação dessas pressões e expectativas ao longo da vida pode levar a um desgaste emocional e físico significativo. A ansiedade e a depressão são respostas comuns a esses estigmas acumulativos, afetando a qualidade de vida e a saúde geral das mulheres.

* A arte de revelar a beleza que jaz no rosto de cada mulher, tantas vezes oculta sob camadas de dor.

No imaginário, aquela mulher que se levanta às 6:00 para preparar o café da manhã digno de Instagram para a família, depois corre para o escritório para ser a executiva do ano. Durante a pausa para o almoço, está em uma videochamada ajudando os filhos com a lição de casa, enquanto com uma mão revisa e-mails e com a outra bate a massa para um bolo que deve levar para o clube de pais. E tudo isso, sem se despentear e mantendo um sorriso.

As expectativas sociais podem ser tão absurdas que, se as vemos de uma perspectiva humorística, percebemos o quão inatingíveis realmente são. Essa visão ajuda a aliviar um pouco a pressão, lembrando-nos de que não é possível nem necessário ser perfeita em todos os aspectos da vida.

3. Estudos Recentes sobre a Dupla Jornada e a Saúde Mental

Para entender o impacto da dupla jornada na saúde mental das mulheres, é fundamental revisar os estudos recentes que analisaram essa problemática. Ao longo dos anos, inúmeras pesquisas evidenciaram a relação entre a dupla jornada e o bem-estar psicológico, revelando descobertas cruciais sobre como essa carga afeta a vida das mulheres.

Impacto na Saúde Mental

Um estudo realizado pela Universidade de Cambridge encontrou que as mulheres que cumprem uma dupla jornada têm 40% mais chances de experimentar sintomas de ansiedade e depressão em comparação com aquelas que não têm responsabilidades laborais e domésticas simultaneamente. Esta descoberta destaca a carga emocional que representa tentar equilibrar as demandas de ambos os lados.

Outro estudo publicado no Journal of Occupational Health Psychology destacou que as mulheres com dupla jornada experimentam níveis mais altos de estresse crônico, o que pode levar a problemas de saúde a longo prazo, como doenças cardiovasculares e distúrbios do sono. Esse estresse crônico se deve à falta de tempo para descanso e recuperação, o que aumenta o esgotamento emocional e físico.

Efeitos no Sentido de Realização Pessoal e Profissional

Embora a dupla jornada possa ser extenuante, alguns estudos sugerem que pode haver um sentido de realização pessoal ao cumprir múltiplos papéis. No entanto, esse sentimento positivo depende em grande parte do nível de apoio que as mulheres recebem em seu ambiente laboral e familiar.

Pesquisas da Universidade de Harvard mostraram que as mulheres que recebem apoio significativo de seus parceiros, empregadores e redes sociais relatam maior satisfação tanto na vida pessoal quanto profissional. O estudo aponta que a percepção de equilíbrio e apoio pode mitigar alguns efeitos negativos da dupla jornada, promovendo um senso de realização e satisfação.

Diferenças entre Setores e Regiões

O impacto da dupla jornada não é uniforme e varia consideravelmente conforme o setor laboral e a região geográfica. Em países nórdicos como Suécia e Noruega, onde as políticas de conciliação laboral e familiar são mais avançadas, as mulheres relatam menores níveis de estresse associado à dupla jornada. Isso se deve a políticas governamentais que promovem a igualdade de gênero no trabalho e na família, como licenças parentais generosas e horários de trabalho flexíveis.

Por outro lado, em regiões onde essas políticas são menos desenvolvidas, como em alguns países da América Latina e da Ásia, as mulheres enfrentam maiores desafios. Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelou que as trabalhadoras nesses países relatam maiores níveis de esgotamento e menor satisfação laboral devido à falta de apoio e recursos para equilibrar suas responsabilidades.

img la doble jornada 3 • https://brillandoenlaoscuridad.org/pt/dupla-jornada-a-luta-da-mae-trabalhadora/ • Artigos Educativos • ansiedade, depressão, identidade de gênero, trabalho •

E se… Maria fosse uma cientista social que decide investigar o impacto da dupla jornada em sua própria vida. Em vez de um laboratório tradicional, seu “laboratório” é sua casa, com os filhos, uma montanha de roupas para lavar e e-mails de trabalho que não param de chegar. Maria tenta manter um diário de seus níveis de estresse, mas toda vez que começa a escrever, seu gato derrama café sobre o papel ou seu filho pequeno decide usar o caderno como seu novo livro de colorir.

Os estudos acadêmicos podem parecer sérios e cheios de estatísticas, mas por trás de cada número há histórias de mulheres reais que navegam o caos diário com humor e resiliência. Às vezes, uma boa gargalhada é o melhor antídoto contra o estresse.

4. Medidas de Governos e Empresas para Abordar o Problema

Para mitigar os efeitos negativos da dupla jornada na saúde mental e no bem-estar das mulheres, tanto os governos quanto as empresas implementaram diversas medidas. A seguir, analisamos algumas dessas iniciativas e sua efetividade.

Políticas Governamentais e sua Efetividade

Muitos governos reconheceram a importância de abordar a dupla jornada e introduziram políticas para apoiar as mulheres trabalhadoras. Algumas das medidas mais eficazes incluem:

1. Licença Parental Generosa: Países como Suécia, Noruega e Finlândia oferecem licenças parentais generosas tanto para mães quanto para pais. Essas licenças não apenas permitem que as mulheres se recuperem e cuidem de seus recém-nascidos, mas também incentivam a participação dos homens no cuidado infantil, ajudando a equilibrar a carga doméstica.

2. Horários de Trabalho Flexíveis: Em vários países europeus e em alguns estados dos Estados Unidos, as leis permitem que os empregados solicitem horários de trabalho flexíveis. Essa flexibilidade ajuda as mulheres a equilibrar melhor suas responsabilidades laborais e familiares, reduzindo o estresse e a ansiedade associados à dupla jornada.

3. Subsídios para o Cuidado Infantil: Países como França e Alemanha fornecem subsídios para o cuidado infantil, o que facilita para as mães trabalhadoras encontrar e pagar por serviços de creche de qualidade. Esse apoio financeiro pode aliviar significativamente a carga da dupla jornada, permitindo que as mulheres se concentrem em seu trabalho sem se preocupar constantemente com o cuidado de seus filhos.

Iniciativas e Programas de Empresas

Além das políticas governamentais, muitas empresas adotaram práticas que apoiam as mulheres trabalhadoras. Algumas das iniciativas mais destacadas incluem:

1. Programas de Bem-Estar e Saúde Mental: Empresas como Google e Microsoft implementaram programas de bem-estar que incluem acesso a serviços de saúde mental, aconselhamento e programas de redução do estresse. Esses programas não só beneficiam as funcionárias, mas também melhoram a produtividade e a moral geral da empresa.

2. Creches no Local de Trabalho: Algumas empresas, como Patagonia e Goldman Sachs, oferecem serviços de creche no local de trabalho. Essa medida permite que as mães trabalhadoras fiquem perto de seus filhos durante o dia, reduzindo o estresse relacionado ao cuidado infantil e facilitando o retorno ao trabalho após a licença-maternidade.

3. Políticas de Teletrabalho: A pandemia de COVID-19 acelerou a adoção de políticas de teletrabalho em muitas empresas. O trabalho remoto demonstrou ser uma ferramenta eficaz para ajudar as mulheres a gerenciar sua dupla jornada, proporcionando a flexibilidade necessária para equilibrar suas responsabilidades laborais e familiares.

Exemplos de Melhores Práticas em Nível Global

Algumas regiões se destacaram por seus enfoques inovadores e eficazes para abordar a dupla jornada. A seguir, apresentamos alguns exemplos:

1. Islândia: Este país implementou políticas de igualdade de gênero que incluem uma licença parental igualitária e leis que exigem igualdade salarial. Essas medidas resultaram em uma maior participação dos homens nas tarefas domésticas e em menor estresse para as mulheres trabalhadoras.

2. Japão: Apesar de sua cultura laboral tradicionalmente rígida, o Japão começou a introduzir reformas para melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. As empresas japonesas estão adotando políticas de teletrabalho e horários flexíveis para apoiar as mulheres trabalhadoras, embora ainda haja um longo caminho a percorrer.

3. Canadá: Com políticas de licença parental compartilhada e subsídios significativos para o cuidado infantil, o Canadá tem sido um modelo a ser seguido em termos de apoio às famílias trabalhadoras. Essas medidas permitiram que as mulheres canadenses participassem mais plenamente na força de trabalho sem sacrificar seu bem-estar mental e familiar.

As medidas de apoio não só facilitam a vida das mulheres, como também criam um ambiente de trabalho mais feliz e produtivo. No final do dia, o objetivo é alcançar um equilíbrio saudável que permita às mulheres prosperar tanto em suas carreiras quanto em suas vidas pessoais.

5. Recomendações de Livros e Filmes

Para quem deseja se aprofundar na temática da dupla jornada, da saúde mental e das experiências das mulheres trabalhadoras, aqui apresentamos algumas recomendações de livros e filmes que abordam esses temas com perspicácia e empatia.

Livros:

1. “Mulheres que Correm com os Lobos” de Clarissa Pinkola Estés
Este livro é uma coletânea de mitos, contos de fadas e lendas que exploram a psique feminina e sua resiliência. Clarissa Pinkola Estés, uma psicanalista junguiana, oferece uma interpretação profunda e poética dessas histórias, destacando como as mulheres podem encontrar força em sua natureza selvagem e instintiva. Embora não trate especificamente sobre a dupla jornada, oferece uma visão enriquecedora sobre a luta interna e o empoderamento das mulheres.

2. “Lean In: Women, Work and the Will to Lead” de Sheryl Sandberg
A diretora operacional do Facebook, Sheryl Sandberg, explora as barreiras que as mulheres enfrentam no local de trabalho e oferece conselhos práticos para superá-las. Sandberg aborda temas como a negociação salarial, o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, e a importância das redes de apoio. Este livro é uma leitura inspiradora para qualquer mulher que busca avançar em sua carreira sem sacrificar seu bem-estar pessoal.

3. “Mulheres Invisíveis: Expondo o Viés nos Dados em um Mundo Pensado por Homens” de Caroline Criado Perez
Este livro investiga como os dados e as estatísticas muitas vezes ignoram as necessidades e experiências das mulheres, perpetuando desigualdades em todos os âmbitos da vida, incluindo o trabalho. Caroline Criado Perez apresenta uma pesquisa minuciosa sobre como a falta de representação feminina nos dados afeta negativamente as mulheres e oferece soluções para criar um mundo mais equitativo.

Filmes:

1. “O Diário de Bridget Jones”
Embora esta comédia romântica não trate diretamente sobre a dupla jornada, oferece uma visão humorística e honesta das pressões e expectativas que enfrentam as mulheres solteiras e trabalhadoras. Bridget Jones, interpretada por Renée Zellweger, navega por sua carreira, seus relacionamentos e sua vida pessoal com uma mistura de trapalhadas e charme que ressoará com muitas mulheres.

2. “Uma Mulher Fantástica”
Este filme chileno dirigido por Sebastián Lelio conta a história de Marina, uma mulher transgênero que enfrenta o luto pela morte de seu parceiro e a discriminação da sociedade. Embora a trama principal não se concentre na dupla jornada, “Uma Mulher Fantástica” aborda temas de identidade, resiliência e a luta pela aceitação, oferecendo uma perspectiva poderosa sobre as experiências das mulheres marginalizadas.

3. “Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento”
Baseado em uma história real, este filme protagonizado por Julia Roberts narra a luta de Erin Brockovich, uma mãe solteira que se torna uma defensora legal contra uma grande corporação responsável pela contaminação da água. O filme destaca a tenacidade e a coragem de uma mulher que equilibra seu papel de mãe com sua missão de justiça, exemplificando a essência da dupla jornada.

Artículos Relacionados

Valora este artículo

  • El tema es interesante
  • Claro y fácil de entender
  • Aprendí algo
  • Agrega valor a mi vida
  • Quiero más como este